Seminário discute inovação na educação básica com foco no futuro das novas gerações

Santa Cruz do Sul – Desde maio de 2018, o Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Santa Cruz do Sul (COMCITI) e o Fórum Temático de Tecnologia e Informação da Associação Santa Cruz Novos Rumos (Ascnor) uniram seus grupos de trabalho ao redor do tema Cidades Inteligentes. Entre os grandes temas da área, o grupo escolheu dar ênfase para Computação na Educação, com iniciativas focadas nos estudantes do ensino básico. Nesse sentido, gestores públicos, empresários, acadêmicos e interessados no assunto participaram do seminário Educação e Computação – preocupação com o nosso amanhã, que aconteceu no Auditório da Associação de Entidades Empresariais de Santa Cruz do Sul (Assemp).

O seminário foi aberto pelo presidente do COMCITI, vice-presidente da Assemp e coordenador do fórum da Ascnor, Eduardo Kroth, que falou sobre o trabalho que vem sendo desenvolvido pelas entidades. “Nosso objetivo é inserir a computação de maneira inteligente, ensinando a lógica nas escolas de educação básica. Para isso, precisamos de parceiros, conscientizar todos os professores, os empresários e os gestores públicos. Temos que nos preocupar com nosso cidadão de 2025 e 2030”, destacou.

A professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Leila Ribeiro, membro da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), palestrou sobre o trabalho desenvolvido pela entidade direcionado para a Computação na Educação Básica, em que ela desenvolve um trabalho sobre as diretrizes básicas de ensino. Durante a sua fala, ela ainda explicou o que é computação e por que usar computação na educação. “A empregabilidade exige essas habilidades ainda não ensinadas na escola”, disse ela.

Leila Ribeiro destacou que habilidades como fluência de ideias e criatividade se desenvolvem muito com a Computação que, além disso, é muito inclusiva e diminui as desigualdades sociais, econômicas, entre outras. A professora ainda disse que para ensinar computação na educação básica é preciso organização e objetivos, principalmente no que diz respeito em saber as habilidades que se quer formar com o aluno. Entre os desafios, ela destacou a capacitação de professores.

Já o superintendente Regional do Serviço Social da Indústria (Sesi), Juliano Colombo, discorreu sobre a atuação das escolas da entidade, que são modelo no Rio Grande do Sul e que praticam uma nova concepção de ensino. Ele trouxe um contexto de trabalho do século 20 e do século 21, futuro do mercado de trabalho, profissões que serão emergentes, cenário mundial, nacional, estadual e local da educação, o grande desafio de equalizar o ritmo do mercado de trabalho com a educação, entre outros assuntos.

Juliano Colombo falou sobre a importância de transformar a educação. “O grande desafio é mudar o modelo de educação”, frisou. Ao mostrar dados estatísticos, o palestrante mencionou que Santa Cruz do Sul apesar de todo o seu desenvolvimento está alinhada as estatísticas do Brasil e do Grande do Sul, com preocupação para o Ensino Médio. “A escola precisa ajudar a preparar as pessoas para o trabalho para podermos evoluir”. O Seminário foi uma promoção da Assemp, Ascnor, Associação das Empresas de Tecnologia da Informação dos Vales do Rio Pardo e Taquari (ATIVales) e COMCITI.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *